Acervo de recordações da alma...



Jesus chorou. Então os judeus disseram: ''Vejam como  ele o amava.'' 
Jo. 11.35,36
Ontem, quando me dirigia ao supermercado, avistei alguém que não via faz tempo. Seus pais foram pessoas importantíssimas em minha vida... ao depararmos uma com a outra, paramos, abraçamos e aquela palavra chave norteou alguns poucos minutos de conversa: Saudades... sim, porque é bom sentir, porque é prova do que foi importante, que o outro foi de uma importância enorme, porque valeu a pena! E ali, ficamos por alguns minutos... 

Dias anteriores, também vivi uma situação parecida... estive com uma pessoa que é muito especial para mim e esteve por um bom tempo comigo, dentro de minha casa, dentro de minha intimidade... sabe muito de mim. Pouquíssimas pessoas entram nessa esfera de minha vida, confesso.  Mas ela foi posta por Deus, creio, tinha como irmã, tão por querida, e a tenho, que sorria ao falar seu nome... mas o tempo determinou o distanciamento. Procurei... 

Você não tem o poder de manter as pessoas em sua vida por muito tempo ou por todo o tempo. Essa é uma verdade... de alguma forma elas vão embora, se distanciam. Eu não tenho uma resposta pronta para isso! Pode ser por escolha, por necessidade, por imaturidade, pelo trágico... a morte também é implacável. Ela sempre me tira alguém. 

Ainda na semana passada, vi uma postagem aqui, que fiz quando um amigo ainda era vivo. Olho para a foto dele e choro. Não sei como ele foi parar debaixo de uma caminhão. Estávamos conectados naquela época... sofri, chorei e prossegui. Sinto saudades. Eu sofro por alguns vivos que me deixaram... ou, que por necessidade deixei, no meio do caminho. Eu prefiro crer que Deus manterá quem ele quer comigo, e tirará de algum jeito, quem ele não quer que fique. Mas o bom, é que podemos manter as pessoas em nós ainda... o acervo pessoal de recordações da alma. Ele deixa todos, lá!

Você, eu, todos nós temos esse acervo. O carregamos todos os dias... alguns usam pouco, outros um pouco mais. O fato é que as pessoas, ao contrário das coisas, nunca deixam de existir em nossas memórias sentimentais. Os sentimentos tem memórias... quando bons, apelidamos de saudade.  Posso fechar os olhos e me lembrar de um momento de 10 anos atrás, e vivê-lo, senti-lo como nesse instante...e ser mágico! Pois é... o acervo de recordações indicando que sou mais que uma máquina.   Sou sentimento e emoção! Que delícia! Sei que posso, quando sentir falta de alguém, buscar lá no meu íntimo algo que me alimente, que traga momentos que foram embora de alguma forma, e ter esse alguém de volta para mim. 

Mas a verdade, que bom mesmo é ser o presente de alguém... deixe pra ser recordação quando Deus decidir ser!

Pela cruz de Cristo, Maristela Guimarães. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A família não é uma instituição falida... falido é satanás!

Um amor que começa em Deus...