Lembranças de novembro...


Hoje é mais um daqueles dias de saudades.  Quem já perdeu alguém que ama sabe bem como é.  Lembranças são imprevisíveis, chegam sem ser convidadas...  Meu coração é dengoso. Sempre foi.  E ele sempre é movido pelo amor, pelo amor familiar, principalmente. Novembro é um mês difícil...  Datas não existem somente em calendário. Elas existem na memória do passado que construímos. O passado pode ter o tamanho de um edifício ou de uma casinha de sa  não importa se é um casarão mal assombrado ou um condomínio elegante num bairro nobre. Passado, talvez seja o que de mais concreto se tem na vida. A gente sabe como tudo começou, o que se conquistou, o que se perdeu e como tudo acabou.  E o mais importante... Ele nunca vai embora. Minha caixa de lembranças tem fortes emoções.  Dá até pra citar o pensador: “Chega uma época em que nos damos conta de que tudo o que fazemos se transformará em lembrança um dia. É a maturidade. Para alcançá-la, é preciso justamente já ter lembranças.”  O mais importante é que lembrança não é ilusão... nunca será ilusão. Passado é história, lembranças são frutos de uma história. Que se ache privilegiado quem tem história pra contar, quem tem lembranças pra recordar. 

``Quero trazer à memória aquilo que me pode 

dar esperança``. (Lamentações 3:21)


Pela cruz de Cristo, Maristela Guimarães.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO DEUS NOS LEVA PARA O DESERTO...

Passemos para o outro lado... mudança de nível.

O agir de Lapidote...