Escravo por escolha...



"Sacrifício e oferta não quiseste; as minhas orelhas furastes, holocausto e expiação pelo pecado não reclamaste." Salmo 40.6


"As minhas orelhas furastes"... resolvi buscar o pano de fundo para essa expressão e olha o que encontrei:
(Êxodo 21.1-6) “São estes os estatutos que lhes proporás: Se comprares um escravo hebreu, seis anos servirá; mas, ao sétimo, sairá forro, de graça. Se entrou solteiro, sozinho sairá; se era homem casado, com ele sairá sua mulher. Se o seu senhor lhe der mulher, e ela der à luz filhos e filhas, a mulher e seus filhos serão do seu senhor, e ele sairá sozinho. Porém, se o escravo expressamente disser: Eu amo meu senhor, minha mulher e meus filhos, não quero sair forro. Então, o seu senhor o levará aos juízes, e o fará chegar à porta ou à ombreira, e o seu senhor lhe furará a orelha com uma sovela; e ele o servirá para sempre.”
Furar as orelhas era atitude de serviço voluntário perpétuo... 
Furar as orelhas era atitude de amor incondicional...
Furar as orelhas era atitude de entrega total... renúncia da liberdade.
No primeiro momento ele, o escravo, era escravo por direito, por ter sido comprado... no segundo momento, após seis anos, ele poderia permanecer escravo, porém, por escolha.  O servo da orelha furada era conhecido na sociedade dos seus dias como alguém que era escravo por decisão própria. Onde quer que ele fosse, aquela orelha furada atrairia a atenção dos outros. 

Mas veja, essa decisão não era unilateral, neste caso, o senhor e o servo iam aos juízes para oficializar e legalizar tal escolha, e em seguida o senhor do servo  lhe furava a orelha, para provar que tal servo, não mais trabalha para pagamento de dívida, e sim voluntariamente e por amor.
Deuterononimo 15; 16,17

É desse jeito que Davi se via, no Salmo 40.6 
                                                         Um escravo por escolha...  amava ao Senhor e estava disposto a abrir mão de sua liberdade para viver aprisionado a Ele. 

O senhor não era um monstro, como segue a tradição da escravatura. Ele era alguém que tinha direitos sobre o servo porém, também tinha deveres para com ele. Era uma relação de afeto recíproco, de amor... na verdade, era uma lição de amor. Quem os via só podia imaginar isso: eles tem uma história de amor e amizade. 
Romanos 6:18-22

Vós fostes libertos do pecado e vos tornaram escravos da justiça. …Romanos 6.18 

A obra da cruz é uma obra de redenção... de comprar o direito, o resgate, para que tornemos de Deus.

Éramos seus por direito de criação e pela cruz, passamos ser dele, por redenção.

Somos quais servos, que uma vez podendo escolher como viver, onde viver, com quem viver... decidimos viver com Ele por amor.

Como Davi eu sei, que eu sei, que sei... que minhas orelhas furastes, Senhor.

Pela cruz de Cristo, Maristela Guimarães.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO DEUS NOS LEVA PARA O DESERTO...

Passemos para o outro lado... mudança de nível.

O agir de Lapidote...