Fome e sede de dias tranquilos...


Em algumas de minhas conferências, vejo quase todas as mãos levantadas quando pergunto: "Quem gostaria de ser uma pessoa equilibra?" Os seres humanos anseiam por equilíbrio. Mas eu digo: Desistam! jamais conseguirão ser plenamente equilibrados." Quem é capaz de não se intimidar, de não se sentir fragilizado,de não ter reações ilógicas e atitudes desproporcionais diante de determinadas situações? A tranquilidade requer que sejamos dosados, pacientes, serenos e façamos uma coisa de cada vez. Mas ninguém consegue escapar do calor da ansiedade vital. Vale a pena repetir: ser tranquilo não significa ser plenamente equilibrado. Se você encontrar alguém continuamente estável, sem nenhum traço de mudança,pode ter certeza de que essa pessoa está morta! A pessoa mais calma terá momentos de ansiedade, a mais serena perderá o controle algumas vezes. 
"Não andeis ansiosos pelo dia de amanhã, basta a cada dia o seu mal." Mateus 6.34
 O Mestre dos Mestres não tinha tal exigência. O pensamento que ele expressou é corto, mas carregado de sabedoria. Não queria elimina a ansiedade vital, mas dosá-la. Almejava que as pessoas não fossem dominadas por um caminhar vital. Sabia que é impossível ser criativo sem inquietação, que é impraticável ser empreendedor sem passar pelas chamas do estresse. A ansiedade estimulante deve ser mantida, mas a que derrota a curiosidade, a inspiração,a ação exploratória, deve ser superada.  Jesus sonhava em gerar pessoas livres e tranquilas diante de um Pai dócil e pacifico e não pessoas atemorizadas diante de um Deus julgador e castrador. Uns querem conquistar ansiosamente um corpo dentro dos padrões tirânico de beleza; outros, um carro último tipo; outros ainda, uma casa na praia, um excelente salário, um curso de mestrado... Mas quem está preocupado em investir para conquistar uma emoção livre, relaxada, bem-humorada e tranquila? Muitos  vivem asfixiados pelo estresse e pelas tensões. Não têm ousadia para se repensar, se autocriticar e fazer uma mudança consistente em seu ritmo de vida. Desprezam seu saldo emocional. Não têm fome e sede de viver dias tranquilos. ( Augusto Cury - A sabedoria nossa de cada dia - sextante )

Não era essa a postagem de hoje. Mas quando me deparei com esse capítulo, não resisti, pois foi tudo o que meu pai me aconselhou nos seus últimos dias aqui nesse mundo... "Trabalhe menos, gaste menos minha filha e viva mais." Ele sabia o que estava falando!

Pela cruz de Cristo, Maristela Guimarães. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO DEUS NOS LEVA PARA O DESERTO...

Passemos para o outro lado... mudança de nível.

O agir de Lapidote...