Construindo altares e derrubando catedrais...

   abrao_001  No velho testamento quando as pessoas queriam agradar a Deus, quando decidiam andar com Deus, quando queriam alguma resposta, quando queriam aprovação ou quando queriam um sinal... construíam altares.

Construir altar é construir intimidade com Deus.

O altar era a presença de Deus sendo invocada e confirmada em um lugar. Abraão foi um dos que mais construiu altares. O altar mais importante talvez, e o mais difícil, deve ter sido aquele em que o cordeiro era seu próprio filho. A intimidade com Deus foi imensa, sua fidelidade foi enorme e sua fé,  sem limites... Posso ouvir Abraão falando... “Ninguém me segura... eu vou com tudo, senhor”. Abraão investiu caro, caríssimo em seu relacionamento com Deus. Ele deu o seu filho! Que adoração extravagante!!!

Construir altar é um ato de fé.

Era publicamente um ato de fé. Pessoas souberam de sua intimidade com Deus sem ataduras, sem freios e sem influências. Nós estamos sabendo ainda hoje... sua manifestação de fé e obediência nos favorece. Você consegue imaginar se ele contasse para Sara? Ela ia atrapalhar tudo... atrapalhou uma vez, e faria na segunda. Ele foi no silêncio, na “moita”. Era um momento só dele e Deus... até Isaque, só soube na hora. Isso é intimidade... isso é fé! Posso imaginar Abraão sussurrando pra Deus: “Eu lhe dou o que de mais precioso tenho, porque foste tu quem me deste. Eu lhe entrego o que mais amo, porque confio plenamente no teu poder. Eu obedeço tua voz, teu comando e tuas instruções, pois bem sei que és o único e poderoso Deus... E o que pedes deve ser feito, o que mandas deve ser acatado, o que falas deve ser obedecido... porque és tu, somente tu.”

Construir altar é consagrar um lugar e tempo.

Nas recordações, nas lembranças o lugar e o tempo será nitidamente a peça chave do adorador. Monte Moriá... o lugar onde Jeová Jireh, o Deus da provisão, foi honrado com a mais clara e verdadeira adoração de todos os tempos... a prova disso, que o ato de Abraão em entregar Isaque tipificou o ato de Deus, ao entregar seu único filho pela humanidade. Vemos que os religiosos de todo mundo se preocupam em construir grandes e lindos templos... verdadeiras catedrais. Infelizmente, o luxo que sustentam por fora abrigam amontoados de  lixos que escodem por dentro. Luxo por fora - lixo por dentro!

J. I. Brice: “Parece que a Igreja parou num ponto qualquer entre o Calvário e o Pentecostes”.

Mas ainda bem que podemos além do véu, construir pela cruz, o nosso altar... Construa seu altar e consagre seu coração nele!

Salmos 84.3 “O pardal encontrou casa, e a andorinha, ninho para si, onde acolha os seus filhotes; eu, encontrei os teus altares, SENHOR dos Exércitos, Rei meu e Deus meu!”

Pela cruz de Cristo, Maristela Guimarães.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUANDO DEUS NOS LEVA PARA O DESERTO...

Passemos para o outro lado... mudança de nível.

O agir de Lapidote...